PSV renascendo

O Projeto Semente Viva está renascendo!!!! A semente plantada há 4 anos, teve como inspiração a tia Zilda, que aparece aqui nesta foto em primeiro plano segurando uma mudinha de planta, como que ofertando a todos nós novas possibilidades!

Sou grata a direção da Casa de Repouso São francisco de Paula, que teve a iniciativa de re ascender o Projeto! os idosos que lá residem sempre foram simpatizantes com o mesmo, e tenho certeza que ficarão muito felizes em poder participar de alguma forma deste momento.

Que deus abençoe a todos!

Paz e Luz!!!!

PSV

PSV

PSV1

PSV1
PSV reinicia na Casa de Repouso São Francisco de Paula

Mini Horta em casa

E quem disse que espaço reduzido impede de cultivarmos nossa horta em casa? vejam só esta idéia!!!!!!!! Experimente, tente, faça algo diferente!!!!!!!

Jardim de Hortaliças

Ultimamente resolvi resgatar aquele lado em mim que adora o contato com a Natureza! como disponho de pequenos espaços em casa, vou aos poucos adaptando... como uma caminhada começa sempre com o 1º passo, estou na fase de enamoramento com os utensílios necessários para a minha pequena horta. Em breve vamos colher e comer algumas verduras que aqui serão cultivadas. ]

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Canteiros...




Há algum tempo não faço postagens neste espaço... Hoje, recebi esta mensagem que metaforicamente fala dos nossos jardins pessoais... como o tempo de reflexão nesta época se faz presente em todos nós, compartilho com voc~es esta mensagem significativa.
O Projeto Semente Viva, desde sua implantação passou por diferentes fases, e neste momento está em " módulo de espera"!!!!!!! espera de novas sementes serem cultivadas no coração de amigos que ainda não tiveram a oportunidade de abraçar esta idéia; Com as perspectivas do novo ano, nascem com ele novas possibilidades... Quem sabe o que está por vir?
" Entrego, Confio, Aceito, Agradeço"!



Ao nascer, recebemos um jardim para cuidar, já com muitas sementes, que nos cabe apenas regar, cuidando com carinho de cada canteiro.
No canteiro do Amor, nascem os mais belos sentimentos, como a solidariedade, o afeto, a ternura e uma linda flor vermelha, chamada de paixão.

No canteiro da esperança, nascem os sonhos, a perseverança, os desejos da alma, que bem regados, rendem muitos frutos, chamados de "realizações".

No canteiro da alegria, flores lindas que sorriem para a vida, são conhecidas como "motivação", "boa vontade" e "persistência", sendo fundamentais para a continuidade do nosso jardim.

Mais ao fundo, um canteiro impressiona pela altura das flores, é o canteiro da fé, regado com orações e atitudes regeneradoras, sobem até o céu, e muitas das flores tocam os pés dos anjos, que tudo ouvem nas nossas plantações.

Muitos cuidam do canteiro com trabalho incessante, vigiando os pensamentos, regando constantemente o amor, a alegria e a esperança, sempre com desejo sincero de mudar para melhor.
Assim, as flores crescem sempre fortes, lindas e mesmo diante das tempestades, próprias da vida, resistem ao tempo e as dificuldades, tornando-se cada vez mais belas.

Outros, um pouco menos cuidadosos, se perdem em lamentações, gastando o precioso tempo em divagações.
Pensam nas plantas que poderiam ter e não tem, naquelas que já tiveram e perderam, nas belas plantas do vizinho, e vão se descuidando do jardim, deixando as ervas daninhas tomarem conta dos canteiros.

Assim, plantas destruidoras como o ódio, a inveja, a calúnia, a preguiça, o desrespeito entre outras pragas, vão tomando o lugar das flores da vida, das sementes que recebemos ao nascer, e vamos nos tornando pessoas amargas, insensíveis, amarguradas, tristes e doentes.

O jardim da vida são os seus pensamentos, o regador seus sentimentos e a semente, a fé.
O jardineiro é você, a terra, a própria vida, a água é Deus, fonte de toda a vida, que espera que seu jardim não seja apenas florido, mas que dele nasçam frutos perenes, e que um dia, você vire semente eterna do bem.

Sendo assim, onde você estiver vai atrair pássaros e vida, vai levar alegria e paz, conforto e esperança, pois em você, a semente de Deus germinou, deu frutos e criou raízes profundas.

Seja você, o próprio jardim de Deus, cuide dos seus canteiros, regue todos os dias com amor, esperança e fé.

Eu acredito em você...

Paulo Roberto Gaefke

sábado, 9 de outubro de 2010

Óleos Essenciais

GUIA DOS ÓLEOS ESSENCIAIS
O aromaterapeuta Fábián László Flégner, de Belo Horizonte, listou alguns dos óleos essenciais mais usados no mundo, suas principais indicações no aspecto emocional e físico, a parte da planta utilizada para a extração do princípio ativo e os países de origem.

Alecrim-da-horta QT1 cânfora (Rosmarinus officinalis)
Usado para estimular a concentração e a memória e o alívio de problemas como reumatismo, dores localizadas, seborréia, sonolência e tensão muscular. Associado ao amor. Extraído da erva. Origem: Espanha.

Bergamota (Citrus aurantium bergamia)
Para obesidade, celulite, retenção hídrica, casos de estresse, gripes e resfriados. É um antivirótico, útil contra o herpes e em banhos para tratar infecções e inflamações na área genital. Estimula o entusiasmo. Extraído da casca do fruto. Origem: Itália.

Camomila-romana (Anthemis nobilis)
Excelente calmante, sedativo e antiinflamatório, útil para conjuntivites, dores reumáticas, nervosismo e insônia. Usado para depressão e síndrome do pânico. Associado ao amor e ao perdão. Parte da planta utilizada: flores. Origem: Inglaterra.

Canela-cascas (Cinnamomum zeylanicum ou C. cassia)
Estimulante, antiinfeccioso, antiinflamatório eficaz nas lesões por esforço repetitivo (LER), artrites e bursites. Nunca usar puro, pois pode queimar a pele. Extraído das cascas. Origem: Índia e Madagascar.

Capim-cidreira, capim-limão ou santo (Cymbopogon citratus)
É antiinflamatório, combate celulite, problemas digestivos, falta de apetite, cólicas intestinais, seborréia e queda de cabelo. Ajuda a liberar raiva e emoções contidas. Extraído das folhas. Origem: Brasil.

Cipreste (Cupressus sempervirens ou C. lusitanica)
Antiinflamatório, bom para abscessos, furúnculos e acnes. É antifúngico (micoses), indicado também para má circulação, varizes e gengivite. Melhora a concentração e facilita o desapego, alivia o estresse. Extraído de galhos e folhas. Origem: Espanha e Brasil.

Copaíba (Copaifera officinalis e C. langsdorfii)
Para problemas de pele em geral, como alergias e inflamações, úlceras estomacais, gastrite, cabelos sem brilho, manchas senis de pele, queimaduras, hemorróidas, problemas renais. Extraído da madeira. Origem: Brasil.

Cravo-da-índia (Eugenia caryophyllata)
Poderoso analgésico e anti-séptico, utilizado para atenuar dor de dente e aftas. Alivia tosse seca, unha encravada e estimula o sistema imunológico em geral. Parte da planta utilizada: botões secos. Origem: Indonésia.

Eucalipto (Eucalyptus globulus)
Para congestão nasal, sinusite, asma e bronquite. Tem efeito anti-séptico local e é recomendado contra odor nos pés. Alivia dores musculares e reumáticas. Estimula a concentração e libera a mente. Extraído de galhos e folhas. Origem: Brasil e China.

Gengibre (Zingiber officinalis)
Para falta de apetite, febre e dores musculares. Age como estimulante geral e é digestivo. Bom para alívio de dores nas articulações e pode ser incluídos no tratamento de vários tipos de reumatismo. Extraído do rizoma da planta. Origem: Brasil e China.

Gerânio (Pelargonium graveolens)
Tem propriedades antidepressivas e anti-sépticas, ajuda no controle da oleosidade da pele e cabelo e é recomendado para o tratamento de peles secas. Alivia o medo e a carência. Extraído da erva. Origem: Egito, França e China.

Grapefruit (Citrus paradisi)
Empregado no tratamento de obesidade, celulite, retenção de líqüidos, falta de apetite, depressão, tristeza e melancolia. Efeitos similares aos da laranja e da tangerina. Extraído da casca do fruto. Origem: Itália e Brasil.

Hortelã-pimenta (Mentha piperita)
Útil contra dores de cabeça, enxaquecas e enjôos. Por estimular a circulação, previne celulite e varizes além de atuar como analgésico. Elimina manchas de pele (usar diluído). Traz clareza aos pensamentos e é estimulante. Extraído da erva. Origem: EUA.

Ilangue-ilangue (Cananga odorata)
Estimulante do sistema imunológico, sedativo, calmante, afrodisíaco. Age contra ansiedade e insônia. Previne acnes e rugas. Alivia medo e efeitos emocionais da tensão pré-menstrual. Extraído das flores. Origem: Indonésia e Madagascar.

Jasmim (Jasminum officinalis)
Alivia depressão, ansiedade, problemas menstruais, desânimo, catarro e tosse e também é afrodisíaco. Facilita o relaxamento e a meditação. Extraído das flores. Origem: Índia.

Junípero (Juniperus communis)
Melhora a circulação e atenua problemas como celulite, hemorróidas e varizes. Alivia problemas respiratórios e estresse. Fortalece a memória e é indicado para o excesso de isolamento. Extraído das folhas ou bagas. Origem: Afeganistão e Hungria.

Laranja (Citrus aurantium)
Desperta a alegria e o entusiasmo e, ao mesmo tempo, acalma. Abre o apetite e auxilia no tratamento de problemas de digestão. Em xampus, combate caspa, seborréia e queda de cabelo. Extraído da casca do fruto. Origem: Brasil.

Lavanda (Lavandula angustifolia)
É um óleo curinga. Empregado em queimaduras, como regenerador da pele, contra o estresse e para dar a sensação de paz. Pode ser usado diretamente na pele, inclusive em queimaduras. Extraído das hastes floridas. Origem: França, Bulgária e Inglaterra.

Manjericão-verde, ou doce (Ocimum basilicum)
São as variedades de manjericão mais perfumadas. Têm aroma de efeito relaxante, anti-estresse, ansiolítico e antidepressivo. Têm propriedades antifúngicas, analgésicas e regeneradoras da pele. Melhoram a digestão. Extraídos das ervas. Origem: França e Brasil.

Neroli (Citrus aurantium var. amara)
Poderoso calmante, empregado em casos de fobia, síndrome do pânico, depressão, agitação, insônia, irritabilidade, tensão pré-menstrual, cólicas e problemas digestivos. Estimula a alegria. Extraído das flores. Origem: Espanha.

Olíbano (Boswellia thurifera, carteri ou serrata)
Age aliviando problemas respiratórios, gripes, dores articulares e reumáticas. Tem ação contra infecções e inflamações. Acalma a mente e é indicado para momentos de meditação. Extraído da resina. Origem: Índia e Somália.

Palmarosa (Cymbopogon martinii motia)
Rejuvenesce todo os tipos de pele, equilibra as oleosas e com acne. Auxilia no tratamento de obesidade e celulite. É calmante, antidepressivo e favorece o sono regenerador. Extraído do capim. Origem: Índia e Brasil.

Pau-rosa (Aniba rosaeodora ducke)
Usado no tratamento de acnes, rugas e queimaduras. Hidrata a pele e evita o envelhecimento precoce dos tecidos. Age como calmante e é eficaz no tratamento de depressão, insônia, estresse. Alivia dores de cabeça. Extraído da madeira. Origem: Brasil.

Petitgrain (Citrus aurantium amara)
Ótimo para alívio do estresse, desgaste do sistema nervoso e depressão. Empregado em problemas de pele, como acnes. Ajuda a liberar sentimentos contidos e favorece a concentração. Extraído das folhas. Origem: Paraguai.

Rosa (Rosa damascena)
Poderoso rejuvenescedor para todos os tipos de pele, ótimo no tratamento de acne, vermelhidão na face. Alivia depressão, estresse, tensão pré-menstrual, cólicas e menopausa. Extraído das pétalas. Origem: Turquia, Bulgária e Índia.

Sálvia esclaréia (Salvia sclarea)
Alivia estresse, tensão, pânico e desgaste do sistema nervoso, pois tem efeito relaxante. Muito usado em problemas de congestionamento pulmonar e distúrbios hormonais femininos. Extraído das folhas. Origem: Rússia e EUA.

Sândalo (Santalum album)
É expectorante, diurético e cicatrizante. Tem efeito relaxante e antidepressivo, estimulando o entusiasmo e a vontade de ir em frente. Facilita a introspecção e a meditação. Extraído da madeira. Origem: Índia.

Tangerina (Citrus reticulata)
Antidepressivo e estimulante. Equilibra estados de ansiedade, tristeza e medo. Favorece a concentração e é calmante. Abre o apetite e alivia problemas digestivos. Extraído da casca do fruto. Origem: Brasil, EUA e Itália.

Tea tree australiano (Melaleuca alternifolia)
Cicatrizante e antibiótico natural, impede ação de fungos, bactérias e vírus: cândida, inflamações, micoses, amidalite, problemas respiratórios, cistite. É revitalizante e purificador das emoções. Extraído das folhas. Origem: Austrália, Brasil e China.

Verbena-limão (Lippia citriodora)
Usado para aliviar congestão do fígado e facilitar a digestão. É refrescante e estimulante, melhora a concentração e atenua a depressão. Extraído das folhas. Origem: Espanha.



Texto: Mariana Viktor e Kátia Stringueto


segunda-feira, 27 de setembro de 2010


Amigos
Açoes como esta que compartilho aqui, podem fazer a diferença para todos nós!
Está na hora de sairmos do " nosso umbigo" e expandirmos nossas consciências em prol daqueles mais necessitados. Muitos certamente já se mobilizam de outras formas, e assim contribuem no anonimato auxiliando a tantos outros. Aqueles que ainda não foram tocados, o momento é de mobilização.
Acessem o site e sintam como podem participar.
Como somos todos UM, vamos lá!!!!!!!!
Paz e Bem!!!!!!



Missão:
doando.org é uma iniciativa internacional, sem fins lucrativos, que tem como objetivo principal estabelecer uma conexão direta e transparente entre fontes provedoras de recursos aqui denominadas como Doadores (Pessoa Física, Pessoa Jurídica, Anônimo), e prováveis receptores de tais recursos denominados aqui de Beneficiados (Entidades Carentes, Projetos, Comunidades Carentes e Grupos de Pessoas Carentes). Pretende atuar como um portal internacional de busca, divulgação e incentivo de doações ao serviço filantrópico mundial.
Todas as doações beneficentes são feitas diretamente às entidades, e a principal função de doando.org é prover um meio para possibilitar esta importante interação entre a fonte e o destino dos recursos, estimulando a doação em um sentido amplo, para gradativamente possibilitar um mundo mais justo e igualitário.
A iniciativa doando.org é mantida com recursos provenientes de Anunciantes que veiculam suas marcas no site, assim como de doações recebidas de Patrocinadores que nos apóiam nesta causa tão importante para o planeta.
Ajude-nos, faça sua doação e participe ativamente em prol de um mundo melhor e mais justo.
Administração de doando.org



Nossos Objetivos
- fornecer infra-estrutura virtual e acompanhamento pessoal, quando necessário, para captação e efetivação de doações beneficentes provindas de fontes diversas, de maneira rápida, transparente e desburocratizada;
- possibilitar a criação de um Cadastro de Entidades, de Projetos, de Comunidades, e de Grupos de pessoas carentes, denominados aqui como Beneficiados;
- possibilitar a criação de um Cadastro de Doadores, que disponibilizarão recursos em forma de doação direta aos Beneficiados escolhidos através do site, sob acompanhamento de doando.org ;
- avaliar, priorizar, selecionar e divulgar no site os Beneficiados conforme o grau de suas necessidades e abrangência de seus projetos, para estarem mais facilmente acessíveis pelas fontes Doadoras;
- estar aberto ao cadastramento, participação e publicação de banners de Empresas Anunciantes, que serão estrategicamente posicionados no site;
- possibilitar a participação de Patrocinadores, com o objetivo de manter em andamento os projetos da iniciativa doando.org , destacando seu interesse e empenho em manter a causa;
- formar Parcerias com empresas e grupos afins, no sentido de divulgar a iniciativa doando.org , aumentando assim a abrangência de atuação e participação da sociedade na ajuda beneficente como um todo. Com uma divulgação melhor e mais direcionada, uma maior parcela da sociedade carente é beneficiada;
- realizar um trabalho coletivo, honesto, transparente e efetivo, como meio de proporcionar mais dignidade a milhões de pessoas carentes que suplicam por compaixão, em todo o planeta.

Como Participar
Você pode participar da iniciativa doando.org em uma das seguintes maneiras:
0- divulgando o site em todos os meios disponíveis para que mais Entidades Carentes possam ser beneficiadas e mais Doadores sejam sensibilizados;
1- cadastrando-se como Doador e doando recursos diretamente para um Beneficiado;
2- cadastrando-se como um Beneficiado: Entidade Carente, Projeto ou Campanha, Comunidade Carente, ou Grupo de Pessoas Carentes, para receber diretamente recursos de Doadores;
3- cadastrando-se como Patrocinador do site, ajudando a manter a iniciativa;
4- cadastrando-se como Anunciante, divulgando sua marca e ajudando assim a manter a iniciativa;
5- cadastrando-se como Parceiro do site, ajudando a divulgar a marca doando.org;
Para se cadastrar como nas opções de 1 a 5, acesse:
http://doando.org/cadastrar
6- participando do site como Membro, e acompanhando o trabalho desenvolvido (você faz login com sua conta Google, Yahoo, Twitter, AIM, NetLog, ou OpenID)
7- registrando-se como Colaborador do blog/site (você pode participar como Autor ou Contribuidor do blog/site)
Para se registrar como nas opções 6 ou 7, acesse a barra direita na página principal:
http://doando.org

domingo, 26 de setembro de 2010

Na Permacultura uma horta orgânica é a extensão de um jardim







Tenho ficado atenta aos sinais que o Universo tem mandado para que possa dar continuidade a um sonho; as vezes estes sinais chegam em forma de sites, notícias, pessoas, idéias...e de uma forma ou outra sempre sou Grata! minha área de formação e atuação profissional está interligada as plantas, flores, mas sinto que preciso ampliar conhecimentos, fazer novos encontros, resgatar talvez algo oculto no interior da minha alma... por isso os artigos que aqui veiculo me fazem mais próxima desta essência. Nada sei de solo, adubação, pragas, mas sinto que quero aprender, e fazer algo para compartilhar este aprendizado. Sei que me sinto extremamente feliz no meio de flores, ervas aromáticas, plantas medicinais, como se ali fosse a " minha praia". Por enquanto, caminho os caminhos que a vida me oferece, e entrego o amanhã ao Divino Arquiteto do Universo, que tudo sabe, e melhor do que eu, tem os planos ideais a serem realizados. Como o tempo DELE é diferente do meu, aceito e agradeço!



"...Muitas pessoas ficam surpreendidas ao encontrar verduras crescendo junto com as flores e as árvores de uma horta. Afinal, nossa cultura aprendeu a separar as plantas de um jardim daquelas que são próprias para uma horta. No entanto, apesar de poder aparentar visualmente uma grande confusão, é justamente esta união que cria o equilíbrio dinâmico tão procurado no cultivo das plantas. Pois, a multiplicidade dos ecossistemas naturais são garantidas na biodiversidade. Por exemplo, a fertilidade do solo depende dos ciclos de vida e morte das plantas, assim como da presença de insetos e animais responsáveis pelo esterco que irá estimular os seus microorganismos. As flores pequenas são as mais indicadas para uma horta. Como o Cosmos, a Zinnia, a Dália e as Margaridas. Além de trazer beleza, cor e alegria elas têm a capacidade de atrair insetos e pássaros. Já as flores grandes e perfumadas como as Rosas, a Gardênia e o Lírio Amarelo atraem poucos insetos. Aliás, o Gerânio expele os insetos, por isso costuma ser plantado nas jardineiras localizadas na frente das janelas das casas.

Plantas que geram benefícios mútuos são chamadas de plantas companheiras. Além de estimularem seu desenvolvimento, melhoram a qualidade do solo. Este companheirismo dá-se de várias formas - como apoio físico, sombras de densidades variadas, a troca e liberação de nutrientes e químicos, como hormônios estimulantes e repelentes que ainda são desconhecidos pela ciência.

Por exemplo, a alface e a cenoura são plantas companheiras, porque enquanto a alface mantém o solo úmido e fresco para a cenoura, esta gera um sombra rala e fresca para a alface.

A arte de combinar as diversas espécies plantas entre si exige paciência. Será preciso, ao longo do ano, saber observar as mudanças sutis que ocorrem nelas e no ambiente ao seu redor.

Cabe ressaltar que o próprio solo por si mesmo possui a capacidade de gerar esta diversidade necessária para a sua fertilidade. No entanto, este processo de regeneração e equilíbrio natural requer um tempo demasiado longo para as demandas de nossa sociedade de consumo imediato.

Mas se observarmos mais atentamente as diversas espécies que surgem espontaneamente num jardim, elas irão nos apontar as qualidades ambientais destes lugares e, portanto, indicarão para quais grupos ecológicos eles são mais apropriados.

Ervas daninhas, como o picão, a tiririca e tantas outras, surgem para restaurar as condições físicas e químicas de um solo degenerado, pois elas possuem raízes com um grande poder de estimular e liberar nutrientes no solo, além disso elas atraem insetos e lagartos que quando as consomem, produzem dejetos que transformam-se em bom adubo.

Trabalhando sob a ótica dos ecossistemas naturais as ervas daninhas também tem o seu lugar na rede de apoio mútuo que garante a sustentabilidade de um jardim. No entanto, cada erva daninha requer um tipo de manejo para que não cresça de modo ilimitado e domine o local".

http://www.vidadeclaraluz.com.br/

domingo, 19 de setembro de 2010

Deu na telha: as hortas do Plantando na Cidade

Novos rumos... O Universo continua enviando sinais para que o Projeto Semente Viva mantenha vivo o sonho que foi " plantado" há 1 ano em uma Casa de Repouso no RJ.
Neste período por alguns momentos pensamos que não iríamos chegar a lugar algum, e que " uma andorinha só, não faz verão"... entretanto, a cada instante que percebíamos a expectativa de alguns idosos que eventualmente nos acompanhavam à distância ; a vontade deles em resgatar os perfumes que um dia sentiram; o olhar surpreso com o nascimento de algumas plantinhas que em meio as aromáticas brotavam expontaneamente... nos impulsionavam a continuar. Foi assim, que mais uma vez, navegando na Internet, encontrei um Projeto de um outro sonhador que como eu, acreditou no sonho, e hoje beneficia a muitas pessoas.
Creio que poderemos desenvolver algo parecido na Casa de Repouso, e quem sabe atrair pessoas com o verdadeiro desejo de compartilhar , de fazer acontecer e manter um espaço saudável , ecologicamente correto e agradável de se viver.
Entrego ao Diovino Arquiteto do Universo, mais este Projeto!
Paz e Bem!!!!



"...Queremos um mundo mais verde. Procuramos melhor qualidade de vida mesmo nas grandes cidades.

Foi pensando nisso que um aluno de Engenharia Agronômica da Faculdade Cantareira criou o projeto Plantando na Cidade que ganhou destaque na imprensa brasileira e tem como principal objetivo incentivar a formação e plantio de hortas em áreas urbanas. Trazer de volta o hábito de estar em contato com o meio ambiente é uma das razões do projeto segundo Marcos Victorino, seu idealizador.

Uma laje do telhado, um espaço da garagem ou uma parte do quintal podem se transformar num canteiro com o cultivo de plantas e legumes. A prática dispensa o uso de ferramentas pesadas, o que torna o projeto de simples implantação.
Uma horta foi implantada no telhado da Faculdade com objetivo pedagógico e de pesquisa científica. Deu tão certo que a ideia se espalhou, o que deve sempre acontecer com iniciativas como estas.

Os benefícios são vários: incentiva a educação alimentar, pois basta ir até a horta e colher legumes e verduras fresquinhos na própria residência; promove a qualidade de vida de sua família ao unir hobby e educação ambiental; diminui as ilhas de calor, pois a plantação, principalmente nos telhados torna o ambiente mais fresco, já que a planta necessita e absorve o CO2 e a terra absorve o calor do sol.

O Plantando na Cidade também ajuda na educação de crianças. O projeto está sendo semeado em escolas públicas e privadas de São Paulo.

Assim as crianças aprendem na prática e se divertem produzindo o que elas mesmas vão consumir e os professores podem aplicar a interdisciplinaridade. É muito importante educar as crianças com foco na responsabilidade ambiental e sustentabilidade".

video

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Os Florais de Bach e a " melhor idade"




Revendo artigos para uma palestra que farei no próximo dia 13/09/10 sobre Florais, no Movimento de Amor ao Próximo em Jacarepaguá, encontrei este que posto aqui.

Os dados abaixo refletem a realidade que vivemos, e pra mim isto fica mais próximo devido minha participação ativa junto a eles. Poucos são os que ainda demonstram o brilho do que algum dia foram, e sinto a cada dia que cada um de nós tem uma responsabilidade - a de compartilhar com eles uma outra forma de sentir a vida que ainda podem desfrutar, mesmo que em condições adversas. Não sabemos quanto tempo por aqui estaremos, mas que seja intenso enquanto dure, e que a chama da aceitação , do Amor intrapessoal, e do despertar da consciencia possa ter espaço em nossos corações.



O mundo está envelhecendo. A população de idosos representa um contingente de quase 15 milhões de pessoas com 60 anos ou mais de idade (8,6% da população brasileira). Nos próximos 20 anos, a população idosa do Brasil poderá ultrapassar os 30 milhões de pessoas e deverá representar quase 13% da população ao final deste período. No mundo, em 2050, um quinto da população será de idosos. Os números mostram que, atualmente, uma em cada dez pessoas tem 60 anos de idade ou mais e, para 2050, estima-se que a relação será de uma para cinco em todo o mundo, e de uma para três nos países desenvolvidos. “Estes dados do levantamento do IBGE refletem a urgência em encarar as limitações da velhice buscando alternativas e soluções, promovendo debates e colocando em prática idéias para os anciãos, enquanto problema, incentivando o uso de suas melhores possibilidades”, pondera a Terapeuta Floral Maria Aparecida das Neves.

Maria Aparecida diz que o idoso pode deixar de ser aquela pessoa triste, esquecida e doente para descobrir a sensação de estar de bem com a vida e perfeitamente engajada em mais uma etapa natural de sua existência. “A velhice, também chamada de terceira idade, não precisa ser feia e triste, porque é a última etapa da vida, mas é gratificante e alegre porque o indivíduo conseguiu chegar à longevidade pleno da consciência de que sempre tem algo mais a fazer por si mesmo, senão pela sociedade que não quer mais lhe voltar às costas”, alerta.

Para Aparecida, entre no processo biológico do envelhecimento há, em linhas gerais, uma diminuição progressiva e irreversível da energia livre disponível no organismo e redução da quantidade de células de funcionamento normal. “Os Florais de Bach atuam nos processos biológicos (aceitação ou recusa da situação do velho, aceitação ou rejeição pelo meio, atitude hostil ante o novo, diminuição da vontade, das aspirações e da atenção, enfraquecimento da consciência, apego ao conservadorismo, deteriorização da memória anomalias do caráter: desconfiança, irritabilidade e indocilidade, estreitamento da afetividade, etc.) e social (isolamento social, situação econômica crítica, insegurança social, estado de saúde insatisfatório, ruptura com a vida profissional, perda concomitante da função e do status social, falta do idoso poder escolher o laser, etc.), propiciando bem estar enquanto o leva ao melhor engajamento na sociedade, devolvendo-lhe com carinho e atenção os nossos cuidados, como gratidão às suas contribuições à humanidade, seja no macro ou micro cosmo”, explica.

Acreditando que o processo biológico do envelhecimento abala o estado emocional do idoso, a Terapeuta Floral dá dicas do uso dos Florais de Bach:

• Quando existe recusa da situação de idoso, aceitação ou rejeição pelo meio, atitude hostil ante o novo, desconfiança, irritabilidade e indocilidade, estreitamento da afetividade, entre outros sentimentos, pode-se gerar uma hostilidade que acaba por dificultar a convivência, porque os idosos distribuem raiva, irritabilidade, sentimento de injustiça e falta de aceitação de seu processo de vida. Neste caso, o Floral indicado é o HOLLY que vai transformar estes sentimentos de falta de aceitação, rejeição, ajudando a vencer as dificuldades, aceitando-as com amor e dedicação.

• Quando há diminuição da vontade, das aspirações e da atenção, a essência mais indicada é o GENTIAN porque eles se encontram desanimados, facilmente desencorajados por uma causa, perdem a fé nas coisas e na vida. Este Floral vai ajudar resgatando o otimismo, a perseverança e a confiança na providência divina.

• No caso de enfraquecimento da consciência, apego ao conservadorismo, deteriorização da memória presente, os idosos acabam situando-se mais no passado do que no presente e ficam presos a acontecimentos, lembranças do passado, dos bons tempos, sentem saudades e sofrem de nostalgia. Aqui, a essência Floral que pode ajudar é o HONEYSUCKLE que vai situá-lo no tempo. A pessoa tem capacidade de lembrar do passado, mas ao mesmo tempo viver o presente em sua plenitude, já que o Floral traz entendimento das vivências mal resolvidas que ficaram para traz.

• Quando seu estado de carência é tão elevado que acaba exigindo atenção e carinho do outro – quer seja cobrando o que já fez com ciúmes possessivo ou chantageando as pessoas que ama (Amor Condicional) – neste caso a indicação é do Floral Chicory, que vai transformar estes sentimentos que só afastam as pessoas que ele gostaria de ter por perto. A pessoa torna-se totalmente desprendida em favor do bem estar do todo e desenvolve o Amor Incondicional.

• Também podemos usar o Floral Olive preventivamente contra a diminuição progressiva e irreversível da energia livre disponível no organismo, que leva a uma grande exaustão e completo esgotamento tanto físico como mental. O Olive resgata a energia vital e traz de volta a energia de luta para enfrentar as adversidades da vida nesta fase.

Sobre os Florais de Bach

Os Florais de Bach – 38 essências de plantas e florais criadas pelo médico inglês, Edward Bach, na década de 30 – podem ajudar qualquer pessoa a administrar as pressões emocionais do dia-a-dia para garantir um corpo saudável. Eles têm ainda outras vantagens: são naturais, não são caros e não têm contra indicação.

O bacteriologista e pesquisador inglês Edward Bach identificou 38 estados negativos da mente como medo, incerteza, solidão e desalento, entre outros. Para cada estado de ânimo ele encontrou uma planta e criou uma essência Floral para tratá-los.

A chave para receitar o Floral de Bach é justamente reconhecer como a pessoa está se sentindo e verificar qual essência corresponde com o estado de espírito descrito. “É o passo mais importante para equilibrar as emoções”, adianta Aparecida. “São muitos os relatos de pacientes que, ao tomarem Floral, conseguiram controlar seus sentimentos e passaram a aproveitar melhor a vida”.

Por Simone Valente e Cristina Thomaz

domingo, 5 de setembro de 2010

Plantas, emissárias celestes

Hoje lendo este artigo no site Somos Todos Um, pensei no trabalho que venho desenvolvendo na Casa de Repouso São Vicente de Paula com as Ervas Aromáticas e Plantas Medicinais. Ainda ontem, enquanto plantava algumas mudas, uma senhora se aproximou e falou algo parecido com o que está aqui postado; disse ela que sentia-se acolhida naquele pequeno espaço cultivado, principalmente quando se sentia entristecida; era como se fosse acalentada por energias Divinas, e que certamente " do lado de lá" haveria um local assim... Como nada é por acaso, vejam esta história:

A hierarquia maior do universo se reuniu em caráter especial. Todos os membros representantes dos sistemas solares foram convocados e, ali, se encontraram. O tema principal: havia um desequilíbrio no sistema, alguma coisa precisava ser feita. Assim sendo, o Grande Dirigente dos Mundos começou a falar, conduzindo a reunião e expondo a problemática para todos os representantes. A atenção era grande pelo fato de que muitas ocorrências negativas estavam sendo contabilizadas.

Foi quando Ele começou a expor:

"Há grande desequilíbrio em nosso sistema, as almas impuras já não estão encontrando condições adequadas para evoluir de acordo com suas necessidades, não conseguem mais aprender no sistema atual e, por isso, precisamos tomar ações imediatas para contornar essa desarmonia. Essas almas não estão encontrando compatibilidade com o nível de consciência dos nossos planetas, portanto, não estão encontrando ensino na dimensão de suas carências, não estão sendo educadas como deveriam. Precisamos desenvolver uma escola especial, adaptada a essas almas ainda imperfeitas, um planeta onde possam aprender a curar essas emoções conflitantes presentes em suas personalidades. Nesse planeta-escola, reuniremos todas essas consciências em evolução".

A partir daquele dia, daquela reunião, todo o conselho decidiu começar a construção e preparação energética daquele novo planeta, apelidado de planeta-escola, resistente e adaptável ao nível de consciência das almas que para lá seriam enviadas. Foi quando, nesse estudo e planejamento, perceberam a gravidade dos fatos, porque em um único planeta estariam reunidas milhares de almas com os mesmos desafios de curar as mazelas da alma como o egoísmo e o medo. Tudo se mostrava um grande desafio, a carga era pesada, a tarefa árdua, o que, provavelmente, instalaria um verdadeiro caos nessa escola de almas.

Diante do desafio percebido, não restou outra opção para o Dirigente dos Mundos senão lançar mão de seus melhores e mais confiáveis missionários, tudo para garantir a manutenção da harmonia do projeto que se iniciava. Com o planejamento finalizado, começou a executar a construção.

Com um sopro divino, plasmou o corpo físico do planeta. Mais tarde, emanou chamas de fogo, fez ventar continuamente por longos dias, provocou chuvas e trovoadas torrenciais. O tempo passou, um belo dia nasceu com o sol mais lindo que já se viu e assim se fez o Reino Vegetal, enviado do Grande Comandante dos Mundos, Presente em todas as partes, emissários celestes de todos os tamanhos, perfumes e tons, plenos da capacidade de armazenar luz divina.

Agora, sim! A casa dos homens estava pronta para iniciar a longa missão de recuperar a angelitude das almas através da educação e equilíbrio dos pensamentos e emoções.

As plantas são verdadeiros extraterrestres, vieram de outras esferas, de planos superiores, enviadas de Deus para nos lembrar todos os dias de que podemos ser sempre melhores. Ilimitadas em suas potencialidades, fornecem alimentos para alma, para o corpo e acalmam os instintos primitivos da natureza humana.

por Bruno J. Gimenes -

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Aspectos culturais das principais plantas medicinais


Muitos são as matérias que falam sobre plantas medicinais , cultivo, cuidado com o solo, utilização, e esta abaixo aborda de forma simples algumas orientações. Assim:

PLANTAS HERBÁCEAS TENRAS E ARBUSTIVAS MENORES:



Cultiva-se em sistema de canteiros diversificados (hortas), com 1 metro de largura e de comprimento variável, de acordo com as condições locais. Estes canteiros devem ser bem adubados com matéria orgânica, bem drenados, de fácil manejo de forma que as plantas fiquem em fileiras, no sentido do trajeto do sol. Os espaçamentos entre plantas variam de 20 a 50 cm, dependendo da espécie utilizada. Devem ser em locais de fácil irrigação e próximos ao viveiro de mudas.

1) Açafrão da Índia (Curcuma longa)

- Multiplicação: por rizomas (cortam-se pedaços com gema e preparam-se as mudas);

- Cultivo: Plantio em covas de 10 cm de profundidade em terrenos úmidos e afofados, com espaçamento de 0,5m X 0,5m;

- Colheita: colhem-se os rizomas 8 a 10 meses após o plantio (quando as folhas amarelarem). Os rizomas lavados e secos, devem ser conservados em vidros de boca larga e escuros ou latas, bem tampadas.

2) Acelga (Beta vulgaris)

Multiplicação: reproduz-se por sementes

Cultivo: plantio em solos neutros, prefere clima ameno e irrigação constante. Plantada em canteiros;

Colheita: colheita o ano todo. Geralmente planta-se na primavera e no final do verão, com duas colheitas por ano.

3) Alcachofra (Cynara acolymus)

- Multiplicação: por rizoma e por semente;

- Cultivo: plantio em clima temperado e subtropical . Forma touceira de até 2m. Exige solos férteis, frescos e arejados e espaçamento de 0,5m X 1,00m;

- Colheita: colhe-se as folhas antes da floração ou as flores. Os rizomas também podem ser colhidos 100 a 140 dias após o plantio. As folhas são secas à sombra, em local fresco e arejado, devendo ser acondicionadas em sacos de papel ou pano. As flores devem ser consumidas logo após a colheita.

4) Alecrim da horta ( Rosmarinus officinalis)

- Multiplicação: propaga-se por sementes, estaquia e mergulhia (mudas).

- Cultivo: o plantio deve ser feito em solos secos, leves, porosos, com espaçamento de 0,5m X 1m;

- Colheita: colhe-se os ramos, o ano todo, podando as plantas mais viçosas.

A conservação das folhas faz-se dessecando-as à sombra e em local ventilado, acondicionando-as em vasilhame sem ar.

5) Alfazema (Lavandula vera)

- Multiplicação: por sementes e estaquias (mudas);

- Cultivo: planta de clima subtropical. Planta-se as mudas em solos ricos em húmus, porém, com pouca umidade. O espaçamento ideal é de 50cm por 1m;

- Colheita: retira-se as espigas quando as flores se abrirem. As folhas também são colhidas, na época da floração. As espigas e as folhas devem ser secas à sombra e em local ventilado, acondicionando-as em sacos de papel bem fechados, ou ainda produzindo farelo das folhas secas e acondicionando-o em pote de vidro hermeticamente fechado.

6) Alho comum (Allium sativum)

- Multiplicação: reproduz-se por dentes (parte do bulbo);

- Cultivo: plantio em canteiros com bastante húmus, com espaçamento de 0,25 X 0,25m. Faz-se o uso de cobertura morta para conservação da umidade. Irriga-se diariamente por infiltração;

- Colheita: Colhem-se os bulbos quando a planta estiver seca. Seque-os à sombra e amarre-os em réstias. Conserve-os em local seco, arejado e com pouca luz.

7) Anis (Pimpinella anisium)

Multiplicação: reproduz-se por sementes para plantio direto ou formação de mudas em canteiros e por estaquia (mudas);

Cultivo: em espaçamento de 0,50m X 0,20m;

Colheita: 4 meses após o plantio quando as sementes começam a amadurecer. Seque as sementes sobre um pano à sombra e conserve-as em vidros secos e sem ar.

8) Arruda (Ruta graveoleus)

Multiplicação: por estaquia (mudas) e sementes;

Cultivo: prefere solos secos e orgânicos, desenvolve-se em qualquer clima. É exigente em irrigação e adubação orgânica. Produz-se mudas com estacas dos ramos e depois de 2 ou 3 meses planta-se no local definitivo em espaçamento de 0,5 metro entre plantas em fileiras de 1 metro entre elas. A adubação orgânica deve ser feita nos sulcos ou nas covas 15 dias antes do plantio;

Colheita: colhem-se os ramos com folhas verdes (existe a arruda "macho" e a "fêmea" de folhas menores).

9) Artemísia (Artemisia vulgaris)

Multiplicação: por estacas ou ramos e estolões com gemas;

Cultivo: planta de origem européia de adaptação cosmopolita. Planta-se no início do período chuvoso até o outono. Não exige solos, mas desenvolve-se melhor em solos adubados, arejados e com irrigação;

Colheita: colhem-se as folhas no período da floração, as raízes o ano todo.

10) Babosa (Aloes vera)

Multiplicação: semente ou estaquia dos rizomas (mudas);

Cultivo: originária da África e Ásia. Prefere clima quente e úmido, solos arenoargilosos, arejados e com relativa matéria orgânica. Não suporta excesso de água, por isso a irrigação deve ser moderada;

Colheita: as folhas são colhidas à noite.

11) Bardana (Arctium lappa)

Multiplicação: sementes e mudas da porção inicial da raiz;

Cultivo: planta japonesa que se adaptou aos climas diversos do Brasil. Planta-se na primavera e no outono. Prefere solos arenoargilosos, profundos, férteis, drenados e arejados. Plantio em sistema de canteiros (hortas). É exigente em irrigação e adubação orgânica;

Colheita: colhem-se as raízes 3 meses após o plantio, antes da floração.

12) Calêndula (Calendula officinalis)

Multiplicação: por sementes;

Cultivo: planta européia de adaptação cosmopolita. Prefere solos secos, arejados e com alguma matéria orgânica. Planta-se em sementeiras e faz-se o transplantio para o local definitivo ou ainda faz-se o plantio no local definitivo. O espaçamento é de 0,5m entre plantas e fileiras de 1 m entre elas.

Colheita: colhem-se as folhas e flores durante o período da floração.

13) Camomila (Matricaria chamomilla)

Multiplicação: por sementes;

Cultivo: planta européia, de clima ameno. Adapta-se em climas diversos. Prefere solos orgânicos, arejados e frescos. Planta-se, nas regiões quentes, no período do início do inverno e em regiões de clima ameno, na primavera. O espaçamento é de 30cm entre plantas e de 80cm entre fileiras;

Colheita: colhem-se as flores e botões florais no início da floração.

14) Carqueja (Bacchais trimera)

Multiplicação: por sementes ou por estacas (mudas);

Cultivo: planta brasileira, prefere regiões montanhosas onde o clima é ameno. Prefere solos secos, latossolo vermelho ou alaranjado, arejados. Responde a pequenas quantidades de matéria orgânica, não sendo exigente em irrigação;

Colheita: colhem-se as folhas quando novas tendo o cuidado de eliminar bolores que costumam desenvolver-se nelas.

15) Cavalinha (Equisetum arvense)

Multiplicação: por estacas dos rizomas ou por esporos bissexuados;

Cultivo: é cosmopolita. Prefere solos úmidos e pantanosos, ricos em matéria orgânica. Planta-se o ano todo em espaçamento de 30cm entre plantas e 50cm entre fileiras. Pode ser plantada em terrenos livres ou em canteiros. É exigente em irrigação;

Colheita: colhem-se os caules estéreis.

16) Coentro (Coriandrum sativum L.)

Multiplicação: multiplica-se por sementes;

Cultivo: prefere clima quente e solos arenoargilosos ricos em húmus. Planta-se o ano inteiro em covas de 20cm entre elas, colocando-se 2 a 3 sementes por cova. Faz-se o desbasto deixando-se apenas 1 planta por cova após 15 dias da queimação;

Colheita: 2 meses após o plantio colhem-se as folhas. Quando frutificarem estes devem ser colhidos e colocados para secar ao sol brando.

17) Confrei (Symplytum officinale)

Multiplicação: multiplica-se por mudas de rizoma;

Cultivo: prefere clima ameno embora tolere climas adversos. Requer solo rico em matéria orgânica, úmido, não encharcado. Planta-se os rizomas (ou mudas) nas covas com espaçamento de 50cm entre plantas. Após serem adubadas com húmus ou esterco (2l por cova). Os melhores meses para o plantio são de agosto a novembro, de preferência em locais com bastante luminosidade. Esta planta é considerada perene (dura mais de 10 anos);

Colheita: 3 meses após o plantio colhe-se as folhas e 2 anos após começam a colher-se as raízes.

18) Cordão de frade (Leonotis nepetaefolia)

Multiplicação: por sementes;

Cultivo: Em solos argiloarenosos e em climas quentes. É originária da África e da Índia, bem aclimatada no Brasil;

Colheita: as folhas e talos devem ser colhidos na floração.

19) Dente de leão (Taraxacum officinale)

Multiplicação: por sementes ou mudas do rizoma;

Cultivo: em climas diversos e solos pobres com pouca umidade;

Colheita: colhem-se as folhas durante a floração (julho — setembro).

20) Erva doce (Foeniculum vulgare)

Multiplicação: por semente;

Cultivo: originária das regiões próximas ao Mediterrâneo, adaptou-se bem em todos os climas brasileiros. Exige solos frescos, drenados, férteis e pode ser plantada o ano todo em espaçamento de 30cm entre plantas. Responde a irrigação nos períodos de estiagem.

Colheita: colhem-se os frutos quando maduros e as "cabeças" (região entre o caule e a raiz). As folhas são colhidas o ano todo.

21) Erva de São João (Ageratum conyzoides)

Multiplicação: por sementes;

Cultivo: em solos frescos, úmidos e férteis. O plantio deve ser por semeadura direta no terreno preparado com bastante matéria orgânica;

Colheita: o ano todo durante a floração.

22) Erva de Santa Maria (Chenopodium anbrosioides)

Multiplicação: por sementes ou estacas (ramos);

Cultivo: planta mexicana que se adapta a todos os climas do Brasil. Não exige solos, mas responde a adubação orgânica e a irrigação. Planta-se o ano todo em espaçamento de 30cm por 80cm.

Colheita: colhem-se as folhas e flores no início da floração para uso medicinal ou como inseticidas, para controle de pragas das outras plantas, em pulverizações semanais, assim como a solução feita com folhas de fumo.

23) Estévia (Stevia rebaudiana)

Multiplicação: por sementes ou por estaquia;

Cultivo: originária do Paraguai, em altitudes entre 1000m a 1500m e com temperaturas médias de 23o C. Planta-se as mudas em solos arejados, secos e adubados com matéria orgânica, de preferência na primavera. O espaçamento deve ser de 30cm entre plantas e 50cm entre fileiras. O cultivo econômico desta planta já vem sendo feito nos estados do Mato Grosso do Sul, Paraná e São Paulo;

Colheita: entre 3 a 5 meses do plantio, colhem-se as folhas que contém glicosídeos. Podem ser secas à sombra para uso posterior.

24) Gengibre (Zingiber officinale)

- Multiplicação: por rizoma (cortam-se em pedaços com gema) e faz-se o plantio direto ou preparam-se as mudas (até 3 meses);

- Cultivo: plantio em covas de 10 cm de profundidade em terrenos arenosos, leves, férteis e bem drenados com pH=5,5, com espaçamento de 0,5m X 0,5m;

- Colheita: colhem-se os rizomas 7 meses após o plantio das mudas ou 10 meses após o plantio direto. Os rizomas devem ser lavados, secos ao sol por 6 dias e acondicionados em vidros escuros ou sacos de pano.

25) Hortelã da horta (Mentha villosa)

Multiplicação: reproduz-se por estacas (ramos), principalmente;

Cultivo: tolera climas diversos. O plantio pode ser feito o ano todo. Tolera solos ácidos, mas produz muito em solos orgânicos. A irrigação deve ser freqüente. O espaçamento deve ser de 30 cm entre as plantas;

Colheita: colhe-se o ano todo, seis meses após o plantio. As folhas devem ser usadas preferencialmente verdes.

26) Hortelã-Pimenta (Mentha piperita)

Multiplicação: reproduz-se por estacas, rizomas (mudas), principalmente;

Cultivo: prefere clima frio, embora adapte-se bem em qualquer clima. O plantio se faz a qualquer época. Prefere solos ricos em matéria orgânica; não suporta solos ácidos. É exigente em termos de água, por isso deve-se irrigá-la com freqüência;

Colheita: 60 dias após o plantio, colhe-se as folhas durante o ano todo, para serem utilizadas de preferência verdes.

27) Losna (Artemisia absinthium)

Multiplicação: por estaquias;

Cultivo: originárias da Ásia, adapta-se bem em qualquer clima do Brasil. Exige solos bem arejados, arenoargilosos e bem adubados com matéria orgânica. Planta-se em canteiros com espaçamento de 30cm entre plantas;

Colheita: colhem-se as folhas o ano todo.

28) Macela (Achymocline satureioides)

Multiplicação: reproduz-se por sementes;

Cultivo: em clima ameno, com bastante sol. Plantam-se as sementes nas covas, de 50 em 50cm, de setembro a novembro. Não exige solos férteis. A irrigação deve ser somente quando houver um período de estiagem;

Colheita: colham as flores e sequem-nas à sombra

29) Malva (Malva sylvestris)

Multiplicação: reproduz-se por sementes ou estacas (mudas);

Cultivo: prefere clima ameno, embora suporte temperaturas elevadas. O plantio, é feito na primavera com espaçamento de 60 cm entre as plantas. Exige solos férteis, por isso deve-se adubar com bastante matéria orgânica. A irrigação deve ser semanal, quando não chover.

Colheita: colhem-se as folhas a partir do 6o mês, secando-as à sombra.

30) Manjericão (Ocimum basilicum)

Multiplicação: reproduz-se por sementes ou estacas (ramos);

Cultivo: prefere clima quente e solos bem drenados. Planta-se o ano todo, de preferência na primavera. O espaçamento deve ser de 50 cm entre plantas. Responde bem a adubação orgânica. Não tolera solos úmidos. Irrigue somente em épocas de pouca chuva;

Colheita: colhem-se as folhas de ramos terminais no início da floração. Podem secá-las em local arejado e à sombra ou usá-las ainda verdes.

31) Mil folhas (Aquiléia) (Achillea millefolium)

Multiplicação: por estacas do rizoma (mudas);

Cultivo: originária da Eurásia. Prefere regiões montanhosas onde o clima é ameno. Não é exigente em solos, mas cresce melhor em solos preparados, corrigidos, adubados com matéria orgânica e irrigação semanal. O espaçamento é de 40cm entre plantas. É necessário que seja feito de 3 em 3 meses um desbaste, visto que a planta possui muitos brotos.

Colheita: colhem-se as folhas no período da floração que geralmente ocorre em outubro.

32) Saião (Kalanchoe brasiliensis)

Multiplicação: mudas produzidas da folha;

Cultivo: planta brasileira, comum na região litorânea de Pernambuco a São Paulo. Adapta-se a qualquer clima. Exige solos secos e suporta solos rasos. É bastante exigente em matéria orgânica. Planta-se em canteiros ou em locais próximos a rochas para aproveitamento do terreno. Gosta de irrigação, mas não suporta excesso de umidade do solo. Existem diversas espécies de Saião e de plantas semelhantes como a fortuna e bálsamo da horta que tem as mesmas funções medicinais.

Colheita: colhem-se as folhas o ano todo.

33) Sete sangrias (Cuphea mesostemon)

Multiplicação: por sementes ou estaquias;

Cultivo: em solos argiloarenosos, preferencialmente úmidos;

Colheita: o ano todo, na floração.

34) Serralhinha (pincel) (Emilia Sonchifolia)

Multiplicação: por sementes;

Cultivo: em campos abertos ou em hortas. Não exige clima nem solo e desenvolve-se melhor em local com relativa umidade e solos férteis;

Colheita: o ano todo, na floração

35) Serralha (Sonchus oleraceus)

Multiplicação: por sementes;

Cultivo: em campos abertos ou em hortas. Não exige clima nem solo e desenvolve-se melhor em local com relativa umidade e solos férteis;

Colheita: o ano todo, na floração

36) Tranchagem (Pantago major)

Multiplicação: por sementes ou mudas do rizomas;

Cultivo: em hortas como a alface;

Colheita: durante a floração (ano todo).



http://afitema.vilabol.uol.com.br/cultivo.htm

quinta-feira, 24 de junho de 2010

A Fitomedicina atual



Nas ultimas décadas, ocorreu um fenômeno curioso com a Fitoterapia. Em vez de ser substituída pela ciência médica e pela química farmacêutica, ela acabou sendo revitalizada mas com outro nome “ Fitomedicina” ciência exercida por profissionais com formação acadêmica em medicina. A fitomedicina lucrou com a análise objetiva da ciência médica. Descartando-se as afirmações fantásticas e emocionais em favor das curas através de ervas, descobriu-se que a fitomedicina e os medicamentos feitos com plantas têm algumas credenciais impressionantes. Nenhum laboratório produziu ainda substituto para digitalina. As penicilinas, que substituiu o mercúrio no tratamento da siflis e tantas epidemias mortais, provem de fungos de plantas. A beladona ainda fornece os produtos químicos usados em preparos oftalmológicos e em antiespasmódicos empregados para tratar distúrbios gastrintestinais. Na verdade, as substâncias presentes nas plantas continuam sendo à base de uma proporção bastante grande dos medicamentos usados hoje para tratar doenças cardíacas, depressão, dor, câncer, distúrbios neurológicos e outros males.

http://fitomedicina-fitomedicina.blogspot.com

sábado, 12 de junho de 2010

Festa Julina- Casa de Repouso São Francisco de Paula




Está chegando a Festa Julina da Casa de Repouso São Francisco de Paula!!!!!
É momento de muita confraternização, animação, e contribuição para esta Casa que faz um trabalho maravilhoso com os 60 idosos que lá residem.
Seremos brindados com momentos de dança ao lado dos nossos vovôs e vovós que esperam ansiosamente por este dia!!!
Venham e contribuam com uma muda de Planta Medicinal para começarmos o replantio do canteiro que lá existe há 9 meses.
Desde já agradecemos sua visita e colaboração!
Endereço: Estrada do Rio Grande 4730- Taquara- RJ
Data: 24/07/10- sábado
Horário: 14:30hs às 18hs
Contribuição: Mudas de Plantas Medicinais

sábado, 5 de junho de 2010

Entre o conhecimento popular e o científico




A fitoterapia tem se tornado cada vez mais popular entre os povos de todo o mundo. Há inúmeros medicamentos no mercado que utilizam em seus rótulos o termo "produto natural". Produtos à base de ginseng, carqueja, guaraná, confrei, ginko biloba, espinheira santa e sene são apenas alguns exemplos. Eles prometem, além de maior eficácia terapêutica, ausência de efeitos colaterais. Grande parte utiliza plantas da flora estrangeira ou brasileira como matéria-prima. Os medicamentos à base de plantas são usados para os mais diferentes fins: acalmar, cicatrizar, expectorar, engordar, emagrecer e muitos outros.

É essa utilização das plantas para o tratamento de doenças que constitui, hoje, um ramo da medicina conhecido como fitoterapia. A fitoterapia, apesar de ser considerada por muitos como uma terapia alternativa, não é uma especialidade médica, como a homeopatia ou a acupuntura, e se enquadra dentro da chamada medicina alopática.

O uso das plantas como remédio é provavelmente tão antigo quanto a própria humanidade. Nas Ilhas Oceânicas, por exemplo, há séculos a planta kava kava (Piper methysticum) é usada como calmante. Durante muito tempo, foi utilizada em cerimônias religiosas, para um tipo de "efeito místico". Depois, cientistas alemães comprovaram que seu extrato tem efeito no combate à ansiedade.

No entanto, é preciso ter cautela. A crença popular de que as plantas não fazem mal, estimulada ainda mais por fortes apelos de marketing, faz com que o quadro fique um tanto distorcido. "Havia um conceito pré-estabelecido, popular, de que o que vem da natureza não faz mal. Isso não é correto", lembra Elisaldo Carlini, pesquisador do Departamento de Psicofarmacologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

Quem é que não sabe que a planta conhecida como "Comigo ninguém pode" é extremamente tóxica e pode matar? E afinal, estricnina, morfina e cocaína também são produtos naturais.

Todo medicamento, inclusive os fitoterápicos, deve ser usado segundo orientação médica. É claro que dificilmente chega-se a uma overdose de chá de boldo. Mas há ainda muitas plantas cujos efeitos não são bem conhecidos e seu uso indiscriminado pode prejudicar a saúde. Por outro lado, vários estudos científicos comprovam que a fitoterapia pode oferecer soluções eficazes e mais baratas para diversas doenças.

Para Carlini, os preconceitos em relação ao uso de fitoterápicos estão diminuindo. "O uso da fitoterapia como prescrição até há pouco tempo não era aceito pelos próprios cientistas. Ela era considerada uma medicina inferior, alternativa, principalmente por conta dos benefícios propagados por aproveitadores e charlatões. Era vista como 'medicina popular`, desenvolvida à base de plantas que podiam ser encontradas na quitanda, na loja de artigos de umbanda, casas de chás, praças, etc", diz.

Segundo o pesquisador, o conceito de uso dos fitoterápicos vem sendo modificado graças a produtos que os próprios médicos vêm utilizando e que têm base científica comprovada: "O crescimento do uso de fitoterápicos deve-se à competência científica de estudar, testar e recomendar o uso de determinadas plantas para usos específicos", afirma.

É considerado fitoterápico toda preparação farmacêutica (extratos, tinturas, pomadas e cápsulas) que utiliza como matéria-prima partes de plantas, como folhas, caules, raízes, flores e sementes, com conhecido efeito farmacológico. O uso adequado dessas preparações traz uma série de benefícios para a saúde humana ajudando no combate a doenças infecciosas, disfunções metabólicas, doenças alérgicas e traumas diversos, entre outros. Associado às suas atividades terapêuticas está o seu baixo custo; a grande disponibilidade de matéria-prima (plantas), principalmente nos países tropicais; e a cultura relacionada ao seu uso.


http://www.comciencia.br/reportagens/fito/fito1.htm

quinta-feira, 20 de maio de 2010

Próximos eventos da Casa de Repouso São Francisco de Paula


A Casa de Repouso São Francisco de Paula, que gentilmente cede espaço para o Projeto Semente Viva, fará no mês de julho/2010 sua tão esperada Festa Julina; como de costume , este é um momento de integração entre os residentes ( em torno de 60 idosos), familiares e amigos, para divertirem-se além da oportunidade de contribuir com o Projeto através da doação de mudas de Plantas Medicinais, para recomeçarmos o plantio de novos canteiros, e ainda neste inverno termos uma Farmácia Viva, livre de agrotóxicos, para que possamos auxiliar de uma forma suave e natural, aqueles que lá residem.
Faremos um dia de muitas brincadeiras, música, e vamos voltar a ser crianças em companhia daqueles que um dia também desfrutaram da mesma disposição que hoje temos.
Certos que estaremos unidos em prol desta idéia, conto com vocês.
Contatos: Myrian M.M.Soares ( Email: myrianmarino@terra.com.br)

Ciclo de Palestras em Medicina Integrativa- Junho e Julho

Dando continuidade ao Ciclo de Palestras , abaixo a Programação de Junho e Julho

02/06//2010 “O Poder da Respiração”
Marise Ferrer – Fisioterapeuta, Instrutora Voluntária da Fundação Arte de Viver e Instrutora de Yoga

09/06/2010 “Alergia – O que é preciso saber?”
Dr. Silvio Lima Filho – Médico Alergista

16/06/2010 “Liberdade e Justiça Social – Mesa Redonda” ( Transferida para Agosto)
Renato Murad - Empresário

23/06/2010 “Yogoterapia Hormonal”
Amélia Maria de Matos – Profª de Educação Física, Instrutora Voluntária da Fundação Arte de Viver e Instrutora de Yoga

30/06/2010 “Uma Família Sob Deus”
Pastor Rigoberto F. da Silveira – Diretor da Filial RJ da Associação das Famílias para Unificação e Paz Mundial

07/07/2010 “Uma Visão Integral do Ser Humano”.
Dra. Margarida Ranauro – Engenheira, Coach Pessoal

14/07/2010 “Meio Ambiente, Alimentação e Saúde”
Gilberto Martin Magalhães – Apicultor

21/07/2010 “Teia da Vida – Rede de Ações – Projeto Oficina do Cuidado”
Dra. Solange Fagundes – Mestre em Ciências

28/07/2010 ”Porque é Tão Difícil a Convivência?”
Dra. Adriana Provedel – Psicóloga Clínica


COORDENAÇÃO: Dra. Myrian Marino Martins Soares - Médica Homeopata, Coach Pessoal
Dra. Sheila Dutra Garcia – Farmacêutica - Homeopatia

LOCAL: ASSOCIAÇÃO DAS FAMÍLIAS PARA UNIFICAÇÃO E PAZ MUNDIAL
Estrada do Pau Ferro, 927 - Freguesia – Jacarepaguá – Fone: 3435-9608

HORÁRIO: TODAS 4ª FEIRAS de 19:30 hs às 21:30 hs

Plantas regulamentadas pela ANVISA

Segue abaixo as Plantas Medicinais que a partir de agora serão validadas para estudos e posterior utilização pelo SUS:

Alcachofra – Cynara scolymus
•Alcaçuz - Glycyrrhiza glabra
•Alecrim – Rosmarinus officinalis
•Alecrim pimenta – Lippia sidoides
•Alho – Allium sativum
•Anis estrelado – Illicium verum
•Anis, Erva doce – Pimpinela anisum
•Arnica – Arnica montana
•Aroeira da praia – Schinus terebinthifolia
•Assa peixe – Vernonia polyanthes
•Barbatimão – Stryphnoden dromadstrigens
•Bardana – Arctium lappa
•Boldo baiano – Vernonia condensata
•Boldo do chile – Peumus boldus
•Boldo nacional, Hortelã homem, Falso boldo, Boldo africano – Plectranthus barbatus
•Cajueiro – Anacardium occidentale
•Calêndula – Calendula officinalis
•Camomila – Matricaria recutita
•Canela – Cinnamomum verum
•Capim santo, Capim limão, Capim cidreira, Cidreira – Cymbopogon citratus
•Carqueja – Baccharis trimera
•Cáscara sagrada – Rhamnus purshiana
•Castanha da índia – Aesculus hippocastanum
•Cavalinha – Equisetum arvense
•Chambá, Chachambá, Trevocumaru – Justicia pectoralis
•Chapéu de couro – Echinodorus macrophyllus
•Curcuma, Açafrão da Terra – Curcuma longa
•Dente de leão – Taraxacum officinale
•Erva baleeira – Cordia verbenacea
•Erva cidreira, Falsa melissa – Lippia alba
•Erva de bicho, Pimenteira dágua – Polygonum punctatum
•Espinheira santa – Maytenus ilicifolia
•Eucalipto – Eucalyptus globulus
•Garra do diabo – Harpagophy tumprocumbens
•Gengibre – Zingiber officinale
•Goiabeira – Psidium guajava
•Guaçatonga, Erva de lagarto – Casearia sylvestris
•Guaco – Mikania glomerata
•Guaraná – Paullinia cupana
•Hamamélis – Hamamelis virginiana
•Hortelã pimenta – Mentha x piperita
•Jucá, Pau ferro – Caesalpinia ferrea
•Jurubeba – Solanum paniculatum
•Laranja amarga – Citrus aurantium
•Macela, Marcela – Achyrocline satureioides
•Malva – Malva sylvestris
•Maracujá – Passiflora alata
•Maracujá – Passiflora incarnata
•Maracujá azedo – Passiflora edulis
•Melão de São Caetano – Momordica charantia
•Melissa, Erva cidreira – Melissa officinalis
•Mentrasto, Catinga de bode – Ageratum conyzoides
•Mil folhas – Achillea millefolium
•Mulungu – Erythrina verna
•Picão – Bidens pilosa
•Pitangueira – Eugenia uniflora
•Poejo – Mentha pulegium
•Polígala – Polygala senega
•Quebra pedra – Phyllanthus niruri
•Romã – Punica granatum
•Sabugueiro – Sambucus nigra
•Salgueiro – Salix alba
•Sálvia – Salvia officinalis
•Sene – Senna alexandrina
•Tanchagem, Tansagem, Tranchagem – Plantago major
•Unha de gato – Uncaria tomentosa

terça-feira, 18 de maio de 2010

E o Projeto continua...

Depois de aproximadamente 8 meses da implantação do Projeto Semente Viva , precisamos realinhar rumos. Encontramos muitos amigos solidários com a idéia; mobilizamos muitos " corações" que se dispuseram a contribuir para os primeiros passos.
Colhemos as primeiras ervas aromáticas, que foram utilizadas pelos idosos, mas com a chegada do intenso verão e com a mão de obra em menor quantidade, muitas ervas não resistiram... apesar de aparentemente termos reduzido nossos cuidados as plantas, a semente que foi plantada ainda está lá, a espera de um novo começo.
Assim é que AGORA, com a temperatura mais amena e com o sonho revitalizado, re começaremos o replantio- novas mudas, novas sementes, novas realizações.
As vezes é preciso recuar, esperar, manter a certeza absoluta que uma idéia que beneficiará a muitos sempre continuará germinando.
Sou Grata ao Universo por mais este momento de renovação, e recomeço!

Amigos que nos auxiliam no Projeto Semente Viva







Grata amigos( Dilma e Tarcísio)pelo estímulo e ajuda ao projeto!

Fitoterápicos e Plantas Medicinais

"...A proposta da Medicina Natural pode ser vista como uma prática médico-farmacêutica direcionada para uma dimensão mais ampla, mais saudável e que privilegia a melhoria da qualidade de vida das pessoas e das condições ambientais no planeta. Quando aplicada com base em conhecimentos, habilidades e tecnologias, esta pode ser capaz de levar aos usuários, à sociedade e ao planeta benefícios mútuos de forma consistente e sustentável.

E sustentabilidade deve ser a palavra de ordem para a utilização de plantas medicinais e fitoterápicos, pois estes apresentam papel importante na terapêutica uma vez que cerca de 25 % dos medicamentos prescritos mundialmente são de origem vegetal e entre os 252 fármacos essenciais selecionados pela Organização Mundial da Saúde, 11% são de origem exclusivamente vegetal e uma parcela significativa é preenchida por medicamentos semi sintéticos, obtidos a partir de precursores naturais.

Cabe esclarecer que de acordo com a OMS, plantas medicinais são todas aquelas silvestres ou cultivadas, utilizadas como recurso para prevenir, aliviar, curar ou modificar um processo fisiológico normal ou patológico, ou utilizado como fonte de fármacos e de seus precursores, enquanto fitoterápicos são produtos medicinais acabados e etiquetados, cujos componentes ativos são formados por partes aéreas ou subterrâneas de plantas, ou outro material vegetal, ou combinações destes, em estado bruto ou em formas de preparações vegetais.

É importante relatar também que é falsa a idéia de que o medicamento natural não faz mal à saúde. E isto contribui com a estatística de que no Brasil, segundo o Sistema de Informações Tóxico-Farmacológicas (SINITOX), os medicamentos ocupam o pri­meiro lugar entre os agentes causadores de intoxicações em seres humanos e o segundo lugar nos registros de mortes por intoxicação, embora, não sejam encontrados dados es­pecíficos relacionados exclusivamente à ingestão de plantas medicinais.

A falta de conhecimento a respeito de condições de cultivo, associada à correta identificação farmacobotânica da planta, informações insuficientes sobre reações adver­sas, esquema de dose diária (posologia), período de tempo a ser emprega­do, as interações entre medicamen­tos, dentre outras, podem ser causas responsáveis pela intoxicação".

sábado, 15 de maio de 2010

Fitoterápicos passam a ser oferecidos pelo SUS em 2010

Fitoterápicos produzidos com alcachofra poderão ser usados no SUS
Mais seis medicamentos fitoterápicos passarão a ser oferecidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS), a partir de 2010. No total, o SUS contará com oito remédios desse tipo.

Serão incluídos na relação oferecida à população remédios feitos com alcachofra, aroeira, cáscara sagrada, garra do diabo, isoflavona da soja e unha de gato. Desde 2006, medicamentos produzidos com guaco e espinheira santa estavam disponíveis.

Porém, o diretor do Departamento de Assistência Farmacêutica do Ministério da Saúde, José Miguel do Nascimento Junior, ressalta que nem todos esses medicamentos estarão nos postos de saúde. Segundo ele, cabe ao gestor do SUS de cada localidade definir quais remédios comprar com a verba destinada pelo Ministério da Saúde, pelos estados e municípios.

Fitoterápicos feitos com guaco já eram utilizados pelo SUS desde 2006
A inclusão dos fitoterápicos no SUS significa que o administrador poderá comprar antibiótico, produto para asma e escolher também um xarope de guaco. Será levado em conta o costume do uso dessas plantas pela população. São seis novas opções terapêuticas que o gestor do SUS está autorizado a comprar para os pacientes, caso ele entenda que é interessante”, disse Nascimento Junior ao G1.

Receita médica
Apesar da distribuição pelo SUS ajudar a popularizar os fitoterápicos, especialistas alertam que esses medicamentos só podem ser consumidos com orientação médica.
Os medicamentos têm origem em plantas, mas isso não significa que podem ser tomados sem receita médica. Aquela ideia de que o que vem da terra não faz mal, não é verdade”, diz Ricardo Tabach, doutor em psicobiologia e pesquisador do Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas (Cebrid) da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).
De acordo com Tabach, tomar fitoterápicos junto com remédios tradicionais não é apenas desnecessário, mas também perigoso. O ato pode acarretar em uma interação medicamentosa com efeitos colaterais e reações adversas. Mesmo produtos naturais são perigosos. “Um paciente em tratamento com um remédio tradicional pode começar a tomar um chá para ajudar. Quando ocorrem efeitos colaterais, o médico acha que é o remédio, sem saber que o motivo foi a combinação com o chá”, diz.


A médica Ceci Mendes Carvalho Lopes, presidente da Associação Médica Brasileira de Fitomedicina (Sobrafito), acredita que a medida pode diminuir o preconceito dos próprios médicos em relação aos fitoterápicos. “Existe um preconceito imenso que, na realidade, não tem sentido, mas está baseado no fato de muitas faculdades não terem fitoterapia no currículo. O médico tem receio de se comprometer com uma coisa que ele não conhece”, disse.

Para a médica, se o medicamento existe e tem efeito comprovado, não há motivos para não usá-lo. “Não pode acreditar só na tradição popular. Desde que exista o respaldo científico, o fitoterápico é uma opção para o médico conforme cada caso”, afirma Ceci.


Registro
A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou que os oito medicamentos têm registro. Segundo a Anvisa, há 512 medicamentos fitoterápicos registrados, que são fabricados por 119 empresas.

Segundo Nascimento Junior, os oito fitoterápicos disponíveis no SUS foram determinados a partir de alguns critérios, como ser originário de plantas nativas do Brasil ou exóticas adaptadas, estar representado nas cinco regiões do Brasil e ter indicação para uso em doenças da atenção básica.

A expectativa do governo é que os medicamentos sejam usados em todos os estados. “É um processo de crescimento para romper barreiras, preconceitos e ganhar o status como o de outros medicamentos”, afirma Nascimento Junior.

Lista de medicamentos oferecidos pelo SUS:




(Reprodução/TV Globo) Alcachofra
Tratamento de dores na região abdominal associadas a disfunções relacionadas ao fígado e à bile.




(Reprodução/TV Globo) Aroeira
Produtos ginecológicos anti-inflamatórios.





(Reprodução/TV Globo) Isoflavona da Soja
Climatério (coadjuvante no alívio dos sintomas)






(Reprodução/TV Globo) Unha de Gato
Anti-inflamatório (oral e tópico) nos casos de artrite reumatóide, osteoartrite (artrose) e como imunoestimulante.



(Arquivo/Embrapa) Guaco
Indicado para tosse, bronquite, asma, pigarro, rouquidão e inflamação na garganta.


Espinheira Santa
Indicada no combate a úlceras e problemas estomacais.


Cáscara Sagrada (constipação intestinal)



Garra do Diabo
Anti-inflamatório (oral) para dores lombares, osteoartrite (artrose)


*Fonte: Portal G1 e Ministério da Saúde




Horta Medicinal


Tendo em vista os novos rumos do Projeto Semente Viva, torna-se necessário uma ampliação dos estudos referentes a implantação de Projetos que visem beneficiar a comunidade local, quer seja oferecendo informação quanto ao manuseio da terra; tipos de plantas que mais se adequem ao solo, temperatura , ambiente; o plantio e cuidado subsequente a implantação do Projeto; o envolvimento da comunidade...

Existem vários artigos escritos sobre o assunto, e apartir de agora, compartilharei neste Blog alguns alinhados com nossas idéias, para que juntos possamos aprender mais sobre esta empreitada.

Desde já agradeço A Grande Sabedoria por colocar a nossa disposição um local propício para este trabalho!


"...O uso de plantas medicinais é bastante disseminado entre a população brasileira. Muitas vezes, mesmo depois de receber uma medicação ao passar por uma consulta na rede de saúde, as pessoas optam por não tomar o remédio receitado, tratando-se com chás, xaropes, infusões, pomadas e outros, indicados por raizeiros e rezadeiras de sua comunidade.

Outras vezes, optam diretamente pelas ervas por não ter acesso aos medicamentos. Ainda assim, vários profissionais biomédicos condenam esta prática por não haver comprovação científica do potencial curativo das plantas utilizadas.

Uma alternativa que vem sendo incentivada pela Organização Mundial da Saúde, no intuito de diminuir a exclusão dos sistemas governamentais de saúde, é que que cada país proceda a um levantamento regional das plantas utilizadas na medicina popular tradicional, estimulando e recomendando o uso das que tiverem eficácia comprovada, desaconselhando as que podem ser prejudiciais e, acima de tudo, desenvolvendo projetos de cultivo e uso das plantas selecionadas.

No Brasil, há programas de fitoterapia no sistema municipal de saúde em várias prefeituras. Mesmo sem ser reconhecida pelo Conselho Federal de Medicina, a prática é autorizada na rede pública por uma resolução do Ministério da Saúde, de 1988. Em 2001, o ministério elaborou um documento com diretrizes para o uso de fitoterápicos no sistema público de saúde.

O uso de plantas medicinais pressupõe identificar as plantas que têm caráter medicinal e a maneira como elas devem ser aplicadas.

Além disso, as plantas devem ser adequadamente cultivadas e distribuídas para a população. No caso de usos na forma de chás ou compostos, é preciso que o Departamento de Farmácia da

Secretaria de Saúde esteja equipado para produzi-los.

Por meio da implantação de hortas comunitárias e de um programa de produção, cultivo, elaboração e distribuição de plantas medicinais, as prefeituras podem garantir à população o acesso a medicamentos, diminuindo custos e valorizando o saber popular.

HORTAS COMUNITÁRIAS

A fim de suprir a necessidade de plantas medicinais para áreas urbanas de grandes cidades, assim como de comunidades rurais, pode-se implantar e disseminar hortas medicinais comunitárias.

As hortas são um espaço comunitário para o cultivo das plantas medicinais. Sua implantação permite o suprimento em quantidades suficientes das plantas validadas cientificamente para uso terápico das famílias que vivem nas proximidades das hortas.

As hortas locais descentralizadas não suprimem a necessidade de se instalar um horto principal, organizado para a produção de massa verde e a preparação de mudas das plantas medicinais para distribuição. Além disso, é o horto principal que produz os fitoterápicos e as plantas secas e realiza pesquisas científicas com as plantas.

O horto principal permite instalar e manter as hortas caseiras e comunitárias por meio da produção e distribuição de mudas genuínas; permite preservar as espécies medicinais nativas ou cultivadas na região e garantir a continuidade do processo de recuperar a informação popular sobre as plantas medicinais.

Também serve como uma base para o desenvolvimento de pesquisas sobre as plantas.

CUIDADOS

É fundamental realizar uma pesquisa sobre os princípios ativos das plantas da região, bem como quais suas indicações, contra-indicações e em que quantidades devem ser usadas. Esse cuidado é essencial para que plantas ou quantidades erradas não tragam prejuízo para a saúde da população. Além disso, nas cartilhas e oficinas com raizeiros, rezadeiras e a população em geral deve-se desaconselhar o uso de fitoterápicos com efeitos não comprovados.

Esse mesmo cuidado deve ser tomado com os profissionais da saúde.

A correta manipulação das plantas também é essencial. Seja desenvolvendo compostos, chás ou simplesmente secando as plantas, deve-se ter cuidado com materiais utilizados, quantidades, informações e bulas e, principalmente, embalagens, para que as plantas não sejam contaminadas com fungos e bactérias.

PROJETO FARMÁCIAS VIVAS

O Projeto Farmácias Vivas, da Universidade Federal do Ceará, já com 20 anos de experiência, é o primeiro programa de assistência social farmacêutica baseado no emprego de plantas medicinais no Brasil.

Nasceu como resultado da busca de uma metodologia que integrasse o conhecimento das práticas da medicina tradicional nordestina aos conhecimentos da fitoterápia científica.

O principal objetivo do projeto é substituir o uso empírico de plantas medicinais pelo uso correto das plantas existentes na região, selecionadas pela sua eficácia e segurança cientificamente comprovadas e garantindo à população em geral o acesso aos medicamentos.

Para isto, busca desenvolver uma mentalidade preservacionista da natureza, por meio do conhecimento da importância das plantas medicinais regionais na manutenção e na recuperação da saúde; estruturar um serviço de seleção, coleta, domesticação, registro, divulgação e cultivo de plantas medicinais usadas na região, em forma silvestre ou cultivada, de modo a oferecer às comunidades, plantas com eficácia e segurança terapêutica comprovadas.

A idéia central que move as pesquisas é recuperar os conhecimentos tradicionais baseados na identidade cultural das populações, integrando o saber popular e o conhecimento científico.

Após o estudo e levantamento das plantas da região que tenham funções terapêuticas cientificamente comprovadas, o programa opera em diversos locais, onde as plantas são cultivadas em pequenas hortas medicinais comunitárias. A partir daí, elas são manipuladas tecnicamente para sua transformação em medicamentos e distribuídas para a população local, sob a forma de chás ou de alguns preparos fitoterápicos".


Autores: Veronika Paulics e Gabriela Lotta
Contato: dicas@polis.org.br

domingo, 4 de abril de 2010

Ciclo de Palestras em Medicina Integrativa

Começamos a divulgação para as primeiras palestras que ocorrerão durante o Ciclo de Palestras em Medicina Integrativa, a iniciar-se em abril de 2010. Este Ciclo continuará nos próximos meses, com diversos amigos que gentilmente se colocaram a disposição para compartilhar seus conhecimentos.
Já temos agendadas e confirmadas palestras até julho. Participem divulgando, pois este ciclo tem como finalidade uma parceria junto a Associação das Familias para a Unificação e Paz Mundial, para que possamos alavancar muitas outras parcerias em prol da comunidade local.
Desde já
Sou Grata
Myrian


ABRIL:
7/4- Transformando seus Sonhos em Realidade- Dra. Myrian M. M.Soares ( Médica Homeopata, terapeuta Floral, Coach pessoal)
14/04- Harmonize sua Saude atraves das Plantas Medicinais- Dra. Sheila Dutra Garcia( Farmaceutica- Homeopata)
18/04- Doenças da ´róstata e Sexualidae Masculina- Dr. Luiz Carlos Vasconcelos( Médico urologista- Sexualidade Masculina)

MAIO:
5/05-Saude Mental e Espiritualidade- Dra. Maria Isabel g. Murad( Psicanalista) e Renato Murad( Empresário)
12/05- TDAH- Transtorno de Défict de Atenção- Uma abordagem Neurobiológica - Dra. Ana Claudia Laviano( Neuropsicóloga e Psicóloga Clínica)
19/05- A Saude do Planeta em Mim- Dra. Gisela V. Santana ( Arquiteta, urbanista, Coach pessoal)
25/05- Do Macro ao Microcosmos em nós- Dr. Nelson M. Soares( Engenheiro Eletricista, Organização e Métodos, Especilalista em Informática)


Endereço: Estrada do Pau Ferro 927- Freguesia. Jacarepaguá- RJ
Horário: 19:30às 21hs- todas as 4ªs feiras
Entrada: 2 kg de alimentos não perecíveis

quinta-feira, 25 de março de 2010

Nova fase


O Projeto Semente Viva, entra em uma nova fase! Novas idéias, parcerias fortalecidas!!!!
Vivemos em um tempo, onde o semelhante atrai o semelhante de uma forma muito rápida, e juntos, ideais são realizados. Penso também que no mundo competitivo em que vivemos, a corrida desenfreada pelo TER, as vezes atropela os ideais do SER, e ao final as conquistas realizadas perdem o sabor... pensando asssim, iniciaremos em abril de 2010, um Ciclo de Palestras em Medicina Integrativa, em parceria com a Associação das Famílias para a Unificação e Paz Mundial, com o objetivo de levarmos conhecimento em várias áreas, e revitalizarmos os Projetos da Horta Árvore da Vida e o Semente Viva. Temos idéias arrojadas, que atraves da participação da comunidade local, muitos benefícios virão.
O Universo é generoso, quando o coração e a mente se alinham para o Bem maior, e me sinto agraciada com a oportunidade que agora se apresenta.
Deixo aqui minha gratidão a todos aqueles que direta ou indiretamente colaboram para este e tantos outros eventos que acontecerão na Associação.

Endereço: Estrada do Pau Ferro 927- Freguesia, Jacarepaguá- RJ
Local: Associação das Famílias para a Unificação e Paz Mundial
Data: Todas as 4ªs feiras das 19: 30 às 21:30hs- apartir de 7/4/2010
Investimento: 2 kg de alimentos não perecíveis.

domingo, 14 de março de 2010

Uso de plantas medicinais da tradição popular é regulamentado



Os benefícios das chamadas “drogas vegetais” passam de geração em geração. Quase todo mundo já ouviu falar de alguma planta, folha, casca, raiz ou flor que ajuda a aliviar os sintomas de um resfriado ou mal-estar. Unindo ciência e tradição, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) quer popularizar esse conhecimento, esclarecendo quando e como as drogas vegetais devem ser usadas para se alcançar efeitos benéficos. A medida faz parte da RDC 10, publicada nesta quarta-feira (10).

“O alho é um famoso expectorante e muita gente tem o hábito de usá-lo com água fervente. No entanto, para aproveitar melhor as propriedades terapêuticas, o ideal é deixá-lo macerar, ou seja, descansar em água à temperatura ambiente”, explica a coordenadora de fitoterápicos da Anvisa, Ana Cecília Carvalho.

Inaladas, ingeridas, usadas em gargarejos ou em banhos de assento, as drogas vegetais têm formas específicas de uso e a ação terapêutica é totalmente influenciada pela forma de preparo. Algumas possuem substâncias que se degradam em altas temperaturas e por isso devem ser maceradas. Já as cascas, raízes, caules, sementes e alguns tipos de folhas devem ser preparados em água quente. Frutos, flores e grande parte das folhas devem ser preparadas por meio de infusão, caso em que se joga água fervente sobre o produto, tampando e aguardando um tempo determinado para a ingestão.


Outra novidade da resolução diz respeito à segurança: a partir de agora as empresas vão precisar notificar (informar) à Agência sobre a fabricação, importação e comercialização dessas drogas vegetais no mínimo de cinco em cinco anos. Os produtos também vão passar por testes que garantam que eles estão livres de microrganismos como bactérias e sujidades, além da qualidade e da identidade.

Além disso, os locais de produção deverão cumprir as Boas Práticas de Fabricação, para evitar que ocorra, por exemplo, contaminação durante o processo que vai da coleta, na natureza, até a embalagem para venda. As embalagens dos produtos deverão conter, dentre outras informações, o nome, CNPJ e endereço do fabricante, número do lote, datas de fabricação e validade, alegações terapêuticas comprovadas com base no uso tradicional, precauções e contra indicações de uso, além de advertências específicas para cada caso.

Drogas vegetais e fitoterápicos

As drogas vegetais não podem ser confundidas com os medicamentos fitoterápicos. Ambos são obtidos de plantas medicinais, porém elaborados de forma diferenciada. Enquanto as drogas vegetais são constituídas da planta seca, inteira ou rasurada (partida em pedaços menores) utilizadas na preparação dos populares “chás”, os medicamentos fitoterápicos são produtos tecnicamente mais elaborados, apresentados na forma final de uso (comprimidos, cápsulas e xaropes).

Todas as drogas vegetais aprovadas na norma são para o alívio de sintomas de doenças de baixa gravidade, porém, devem ser rigorosamente seguidos os cuidados apresentados na embalagem desses produtos, de modo que o uso seja correto e não leve a problemas de saúde, como reações adversas ou mesmo toxicidade.

11 de março de 2010

Luana Cury - Imprensa / Anvisa

Peça e lhe será concedido

Show do Jerry Adriani

Show do Jerry Adriani

Nova Foto do Show de Jerry Adriani

Nova Foto do Show de Jerry Adriani

Chegou a Rede elétrica

Fomos presenteados com a reativação da rede elétrica na área onde serão cultivadas as Plantas Medicinais e Horta Orgânica. Em breve, novas luminárias chegarão !!!Deixamos aqui registrado nossos sinceros agradecimentos!

Rede Elétrica

Rede Elétrica

1ª Colheita de Ervas

1ª Colheita de Ervas

1º Plantio das Ervas

Hoje vimos a realização de um sonho- o plantio da 1ª Mandala!
Rigoberto , Maria Thereza, Silvana e amigos da Horta Árvore da Vida, doaram as primeiras mudas que plantamos em mutirão: Manjericão, Manjerona, Salsa, Cebolinha, Erva Cidreira, Estragão, entre outras. Enquanto um grupo fazia o plantio, outros limpavam o terreno das futuras Mandalas ( Horta e Plantas Medicinais). Foi uma manhã fantástica, e sou eternamente GRATA ao Universo por estar enviando pessoas comprometidas com esta idéia que agora torna-se real!

Plantio

Plantio

Mandala ficou pronta

Hoje dia 24/08/2009 concluímos a construção da 1º canteiro em forma de Mandala, ( onde serão cultivadas Ervas Aromáticas) com a ajuda dos amigos Augusto, Jeronimo e Nelson.Recebemos como doação, 4 mudas de árvores Floríferas, que serão plantadas no centro de cada Mandala, com diferentes cores ( que variam do vermelho ao branco).

Mandala

Mandala

Compostagem

Foi realizada a primeira " virada" da compostagem e as montamos com ajuda de Solange, Dirce e outros amigos da Comunidade do Anil.Todo este material produzido, será misturado a terra no momento do plantio, que deverá ocorrer no decorrer das próximas semanas.

Compostagem

Compostagem

1º Mutirão de Limpeza

1º Mutirão de Limpeza

Início do Projeto

Início do Projeto

Encontro na Associação da Famílias - RJ

Realizamos ontem, dia 14/11/09, sábado, o 1º grupo de alunos da Associação das Famílias, para Inclusão Digital. Estes encontros a serem agendados previamente tem o objetivo de levar noções práticas de Informática aos jovens e participantes da Associação. Serão formados pequenos grupos, e as aulas terão duração de 1 hora, quinzenalmente.( dia e hora a serem combinados).
Também iniciamos aulas práticas de T'ai Chi, para amigos, frequentadores da Associação, e da Horta árvore da Vida , com a finalidade de compartilharmos a filosofia e Arte desta prática milenar.
Nossos encontros serão agendados com antecedência; ambas as aulas são GRATUITAS, e a Associação das Famílias " abre suas portas" para receber aqueles que queiram desfrutar de momentos de integração com a Natureza ( visitando a Horta), e contribuindo com o Planeta.

End: Estrada do Pau Ferro 927- Freguesia Jacarepaguá- RJ

Encontro na Associação

Encontro na Associação

Horta Orgânica em Mendes

Horta Orgânica em Mendes

Apresentação da Tecnologia